sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Uma mulher espiritualizada

Olá, Esbeldades!!!

Por aqui ando em ritmo de mudanças na vida pessoal de novo. Na verdade, é o velho papo de sempre: voltei a me preocupar com alimentação e a contar meus pontinhos. #vigilantes

Desta vez, entretanto, tenho a sensação de que algo mudou e já aviso o que é: não estou mais somente preocupada com a pontuação dos alimentos que estou ingerindo, estou considerando qualidade também. Sei que é ridículo falar isso de tão óbvio que possa parecer, contudo, eis uma grande verdade em todo meu currículo dietético: tirando remédios, chás e shakes milagrosos, nunca me importei com os alimentos que comia contanto que estivessem dentro dos pontos permitidos. Claro que existe uma cota diária de coisas que você precisa comer diariamente (vide aqui) e isso acaba fazendo com que o sujeito se alimente melhor, mas eu não me preocupava se estava comendo frutas secas e ingerindo ômega-3, por exemplo. Agora estou um pouco mais ligada nisso.

Atribuo essa leve mudança no meu perfil por estar realmente empenhada em emagrecer 10kg pela última vez na minha vida (sim, eu sonho com o dia em que vou comer que nem gente, terei uma alimentação exemplar e não serei uma vendida por qualquer porção de glicose e fritura... rs). Estou consciente de que estou chegando aos 30 e a cada ano que passa, tudo que antes parecia fácil de eliminar vai ficando cada vez mais desafiador. Eu quero mudar meus hábitos enquanto é tempo. Não desejo chegar aos 40 gorda, enrugada e sem saúde. 

Para entrar mais na pilha dos Vigilantes do Peso e da alimentação saudável, comprei um "livro de abobrinhas": 



Por enquanto estou achando a leitura chata e estou avaliando se o médico que escreveu isso não parece meio exagerado. Em um tópico sobre a importância da saúde digestiva ele afirma que tem um "pote de glutamina à mão o tempo todo". Ok que a glutamina pode ser legal para saúde do sujeito, mas daí uma pessoa "ter um pote de glutamina à mão o tempo todo" (palavras do livro!) não me parece um indicador de saúde - pelo menos não da mental... hahahaha Mas enfim, vida que segue. Quando comprei o livro, queria mesmo ler as palavras de algum maluco que fosse me convencer a nunca mais comer farinha ou bolinho de bacalhau na vida. Queria algo de opiniões radicais para continuar me motivando a sair da inércia. Por enquanto, o livro ainda não cumpriu esse papel, mas já me convenceu da importância da ingestão de oleoginosas para equilibrar a glicose no sangue. #aloka Sendo assim, já iniciei o consumo das minhas 5 amêndoas diárias (equivalem a 1 ponto, o mesmo que a maioria das frutas). 

Além desse súbito interesse sobre os alimentos bons e ruins para o corpo, também comprei a ideia do livro sobre ser uma pessoa mais leve, ágil e tonificada e - pasmem: começo na academia semana que vem. Falo da experiência mais à frente. Por hora tenho apenas um fato na minha vida: estou TOTALMENTE fora de forma. Fui dar uma pedalada de 30 min com meu marido e fiquei suada, vermelha, ofegante, com dor na perna e palpitação. Meu marido (que também é sedentário) nem suou. Estou mal mesmo. Eu me senti no The Biggest Loser: imaginem aqueles participantes que estão começando no programa, obesos mórbidos, tendo que atravessar uma faixa de 3 metros de areia, suados, chorando e dizendo "eu não vou conseguir!!!!" desesperados porque não aguentam fazer as coisas mais simples para qualquer reles mortal em condições normais de saúde... Esta era eu terça-feira com a minha bike rosinha de cestinha. hehehehe Eu quase peço: "Amor, vai em casa, pega o carro e volta para me buscar!!!" #derrotada

Por último, o tal livro que comprei defende que as pessoas que procuram o equilíbrio entre o físico (a matéria, o corpo), o químico (o que acontece dentro do seu corpo) e o psicológico são mais saudáveis. Comecei fazendo análise conforme expliquei nesse post aqui e agora estou procurando um gerador de energia vital (essa também peguei do livro...!!! hahaha). Foi assim que semana passada fui fazer 2 aulas experimentais de yoga. #tôdemais




Na verdade, das outras vezes que emagreci, eu SÓ fiz a reeducação alimentar. Eu obtive excelentes resultados, o que é ótimo, mas não tudo. De que adianta estar magra e flácida? Se uma guerra acontecesse e eu precisasse fugir, me segurar em galhos de árvores e dependesse de um mínimo de força, eu não conseguiria escapar dado o meu despreparo físico. (Sim, eu penso nesse tipo de coisa... rs)

Bem, foi assim que a yoga entrou como um recurso para alongar sem as exigências da dança. Estranhei quando a professo de yoga falou sobre determinadas posições: "busque o que for confortável para você" porque na dança o lema é "busque a perfeição e a superação". Portanto, dependendo do alongamento e do quão enfurrujada você esteja, saiba que VAI DOER se você estiver em uma aula de dança. 


Claro que eu dei uma forçada na aula de yoga, faz parte da minha "formação bailarinística", mas foi diferente. Não havia pressão para isso. Portanto, fiquei mais confiante comigo mesma na aula, afinal... kkkkkk





Apesar das questões religiosas que porventura eu venha a encarar na yoga, acho que trabalhar a respiração, o alongamento, o equilíbrio e a resistência são benefícios indiscutíveis. Ademais, já diz o provérbio: "examinai tudo, retém o que é bom". Quem sabe eu não consiga, através de uma compreensão maior do "eu", ter critérios menos críticos quanto a minha aparência e/ou comer de forma menos compulsiva?

Sei lá, gente. Eu tô tentando mudar mesmo. Esse processo de mudança parece ter dado um novo sentido à minha vida. Acho que eu estava com carência de objetivos e falta de coragem...


Continuem acompanhando meus passos que agora são diversos hehehehe:

a) análise
b) reeducação alimentar
c) exercícios físicos
d) yoga



Beeeeeeeeeeeeijo

2 comentários:

  1. Curti. Beijos, A. ❤

    ResponderExcluir
  2. Gosto dessa abordagem holística, já até comentei isso no blog da Linda.
    Vi que me pediu um post sobre a dieta Dukan, vou tirar um tempo para escrever sobre minhas impressões. A Bia e umas amigas tentaram fazer, tb vou colocar a opinião delas. Até minha mãe tem pitaco prá dar hahaha.
    Eu amo yoga, fiz durante uns anos e foi ótimo pro meu sono aprender a respiração e técnicas de relaxamento! Por aqui todo mundo querendo desengordar, vamos trocando experiências!
    Beijão

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário